terça-feira, 25 de novembro de 2008

Livro na mão das iranianas

Olá, amigos da leitura. A notícia que coloco abaixo bem condensa o espírito deste blog. É o livro na mão de mulheres proibidas de quase tudo naquele canto do mundo, um sopro de esperança.
Ela me emocionou, espero que emocione também a vocês.


Iraniana torna-se salvadora de mentes

O Estado de São Paulo - 23/11/2008 - por Borzou Daragahi

Aos seus olhos, elas são todas filhas e irmãs. A órfã de 18 anos já casada e mãe, mas com fome de aprender. O par de colegiais tímidas, nervosas no início, mas logo remexendo ansiosamente nas estantes repletas de livros. A matrona dona de casa, insegura e inculta, mas descobrindo o mundo além das favelas do sul de Teerã com a leitura de Fiodor Dostoievski e Jean-Paul Sartre. Para as mulheres de sua vizinhança, Nazamin Gohari se tornou uma salvadora de mentes. Alguns anos atrás, a cabeleireira meio período que virou ativista comunitária transformou seu acanhado apartamento numa biblioteca para mulheres, coletando livros usados para encher as estantes improvisadas em sua sala de visitas. Inicialmente, ela as abasteceu de romances baratos, poesia, títulos de auto-ajuda e faça você mesmo. Mas a demanda por livros de culinária e riscos para bordados acabou dando lugar a pedidos de livros de preparação para a universidade e literatura. As garotas que folheavam livros infantis ilustrados floresceram em mulheres voluntariosas ávidas para chegar à educação superior. Gohari recorda uma moça de 17 anos chamada Sedigheh, que veio até ela chorando, perturbada porque seus pais não podiam pagar o material escolar de preparação para o vestibular.

5 comentários:

Petê disse...

Nana,

É impressionante a força de vontade que têm alguns povos pelo saber. Os muçulmanos, apesar dos pesares, em geral dão muita importância ao saber. Me dá mais pena de nós, brasileiros, ocidentais e "livres", que mal olhamos para os nossos livros.

Beijo

francisco disse...

Olá, gostei muito do seu blog. Ele é muito bom.

Parabéns!

Um abraço

Mônica Santos disse...

Adorei a idéia do Movimento Livro na Mão - sempre carrego um, mas não era assim uma coisa tão consciente!!! Vou seguir todos os passos, mostrar o título, dar suspiros enquanto o leio - e sim, ajudar a instigar a curiosidade de todos por esse maravilhoso mundo das letras. Beijos!!

Nanete Neves disse...

Monica, este é um movimento de um grupo de amigos amantes da leitura. Se quiser se juntar a nós, avisa, tá? Precisamos de gente articulada e criativa como você. Beijão, querida

Annah disse...

Nossa, fico comovida com tudo que diz respeito e esse povo do oriente médio.
Estou lendo atualmente Mayada a filha do iraque .Por um desafio literário via blogs, meu blog foi indicado por um escritor a participar, e uma das colegas que indiquei estava a ler esse livro que me despertou uma certa curiosidade, que não foi em vão.Estou lendo e a cada a página sou induzida a um mundo cheio de problemas mas com seres humanos incríveis e admiráveis.

Um grande Abraço e parabéns pelo movimento

Fiquem a vontade a visitar meu blog

www.annahworld.blogspot.com